terça-feira, 17 de março de 2015

RAPIDINHAS 12 POINTS!: Austrália e Montenegro divulgam músicas e países lançam novas versões

Austrália


Como todos já sabiam, Guy Sebastian foi o artista escolhido para representar a Austrália no seu debut no festival. Ontem a emissora SBS anunciou que Tonight Again será a canção defendida por Guy nos palcos de Viena. Como foi convidado a participar do festival, o país vai se apresentar na final do festival.

Confira aqui a representante australiana Tonight Again:

Macedônia


Um dos primeiros países a anunciar seu representante e canção, a Macedônia decidiu deixar Lisja Esenski de lado e enviar Autumn Leaves, a versão em inglês da canção. Será que foi uma boa troca? 

Ouça aqui a nova versão da música de Daniel Kajmakoski.

Sérvia


Quem também resolveu mudar o idioma de sua canção foi a Sérvia. Bojana Stamenov venceu a final nacional de seu país com Ceo svet je moj, porém ontem foi divulgada a informação de que Beauty never lies é a versão final a ser apresentada no festival desse ano. 

Assista aqui o novo vídeo para a canção da Sérvia.

Montenegro


E, finalmente, a última concorrente desse ano foi revelada! Meio engraçado dizer isso, já que Montenegro saiu na frente de quase todos os países anunciando Knez como seu representante. Hoje foi divulgada Adio, música composta por Zeljko Joksimovic (ou seja, mais uma baladinha balcânica no seu currículo). 

Ouça Adio aqui.

domingo, 15 de março de 2015

Amanecer, da Espanha, tem novo arranjo divulgado

Para quem estava se perguntado porque o clipe da Espanha ainda não estava no canal oficial do Eurovision no Youtube, aqui está a resposta:

Amanecer sofreu um pequeno revamp


Edurne representará a Espanha no Eurovision 2015

A canção com a que Edurne subirá ao palco de Viena sofreu algumas importantes alterações na base musical. Os sons de corda, ponto forte da versão Sinfônica, vazada no Youtube, são muito mais impactantes ao e naturais. A nova versão parece uma mescla entre as versões pop e aquela gravada com a Orquestra da RTVE.

Não se sabe, porém, se essa será a versão definitiva. Quem deixou isso claro é o autor de Amanecer, Tony Sanchéz-Ohlsson. Ele disse em seu twitter que não era sua equipe que estava fazendo a versão final porque "às vezes temos que deixar que outro profissional coloque sua magia e visão à sua canção para que ela fique perfeita". Suspeita-se que ele esteja falando de Pepe Herrero, responsável pela versão Sinfônica da canção. E completou depois dizendo que "não sabia" se essa seria a versão definitiva, mas que essa era a ideal em sua opinião.

Ouça abaixo a nova versão de Amanecer, da Edurne, a canção que representará a Espanha no Eurovision:

Confira A Million Voices, a canção de Polina Gagarina para o ESC



Numa tarde cheia de novas canções eurovisivas, a Rússia também não ficou de fora. Agora é a vez de conhecermos a versão completa de A Million Voices, canção que Polina Gagarina defenderá em Viena.

A canção tem o mesmo time de produtores de What If, de Dina Garipova em 2013: Gabriel Alares, Joakim Björnberg, Katrina Noorbergen, Leonid Gutkin e Vladimir Matetskiy.

Ouça a canção russa de 2015 interpretada por Polina Gagarina, e diga o que achou nos comentários!





A Rússia estará na segunda parte da primeira semifinal do Eurovision, em 19 de maio.


Ouça I'm Alive, nova canção da Albânia para o Eurovision 2015

Elhaida Dani representará a Albânia no Eurovision 2015

Todos ficaram chocados quando Diell, a canção que a Albânia levaria ao Eurovision foi retirada de competição por decisão de seu próprio autor. Hoje finalmente podemos conhecer a nova proposta de Ehaida Dani para Viena.

I'm Alive foi composta por Arber Elshani e Chriss Lekaj, dupla conhecida como Zzap'n'Chris. A canção é uma balada pop bastante melhor que Diell. A nova proposta albanesa foi divulgada junto com seu videoclipe oficial.

Ouça abaixo I'm Alive, a canção da Albânia para o Eurovision 2015!


Chain Of Light é a canção de San Marino para o Eurovision 2015

Primeiro apenas um preview, mas depois vazou a versão completa e finalmente pudemos conhecer a canção de Michele Perniola e Anita Simoncini em Viena.

Anita Simoncini e Michele Perniola representarão San Marino no Eurovision

Chain Of Light é o que defenderá San Marino no Eurovision 2015


Um pop mid-tempo bastante marcado pelas cordas e pela voz de Michele, muito mais madura do que há dois anos, quando o conhecemos no Junior Eurovision.

O clipe oficial de Chain Of Light será lançado amanhã, na SMRTV, a Rádio e TV pública de San Marino.

Ouça abaixo a canção de San Marino no Eurovision 2015 e deixe sua opinião nos comentários!

O repeteco azeri: Elnur Huseynov estará em Viena

Depois de cancelar uma final nacional e fazer mistério quanto a seu representante, o finalmente o país sede do Eurovision 2012 anunciou seu representante

Elnur já representou o Azerbaijão no Eurovision 2008

Elnur Huseynov irá a Viena com a balada Hour Of The Wolf, que você ouve abaixo:




Para quem não se lembra, Elnur já representou o Azerbaijão. E foi na estreia do país no Eurovision, em 2008. Ele fazia um dueto com Samir na excêntrica Day After Day.


E aí, o que vocês acharam da escolha?

sábado, 14 de março de 2015

Måns Zelmerlöw quebra recorde no Melodifestivalen e é o campeão de 2015

Depois de seis anos de hiato, ele voltou com tudo! Måns Zelmerlöw é o grande campeão do Melodifestivalen 2015, com Heroes.


Måns não só venceu, como bateu os recordes de votação: recebeu doze pontos de 9 dos 11 países (Israel e Reino Unido deram apenas seis e oito pontos respectivamente) do júri internacional, e na votação do público, ele recebeu 166 pontos, 78 a mais que o segundo colocado, Jon Henrik Fjällgren. Isso contabiliza 288 pontos, 20 a mais que o último recordista, que foi justamente em 2012, com Loreen. Será que ele conseguirá repetir o feito no Eurovision?

Confira a performance fofa e criativa de Måns no Melodifestivalen:



A Suécia irá competir na segunda parte da segunda semifinal, no dia 21 de maio.

Análise: Melodifestivalen 2015, a grande final

Olá, caros leitores do ESC12points!

Finalmente chegou o momento mais aguardado por muitos de nós, eurofãs: a grande final do Melodifestivalen 2015! Todas grita! \o\



E esta final será grande mesmo, a maior dos últimos anos: serão doze finalistas (quatro do Andra Chansen, lembram?) e uma disputa muito acirrada pelo título. Mas vamos ao que interessa: as análises das oito canções restantes, sorteadas entre os colegas do ESC12points que irão comentar comigo as chances dos finalistas nesta edição de 2015.

Listarei todas as canções, para que você também se lembre da ordem de apresentação. Fechado? Então venha conosco!

1. Samir & Viktor – Groupie 


2. JTRBuilding It Up (por Nanda)

Vamos abrir essa análise na sinceridade: eu tenho um fraco pelo JTR. Ponto. Desde que eles estiveram no X Factor australiano eu acho os lindinhos talentosos. E eles evoluíram muito de lá pra cá. Eles dominam mais o palco e as vozes estão absolutamente melhores. Building It Up poderia ser uma escolha estratégica da Suécia: esse ano não temos nenhum "bonitinho pra atrair os votos adolescentes", figura representada pelo Basim em 2014. Além disso a música tem uma pegada gostosa e grudenta, no bom sentido da coisa. Em Viena, se classificariam com facilidade e conseguiriam um top 15. Mas não serão escolhidos. E por mais talentosos que sejam, por melhor que seja a música deles, esse MelFest tem uma opção acima da média... E não é o JTR.

3. Dinah Nah - Make me (La la la)



4. Jon Henrik FjällgrenJag är fri (Manne Leam Frijje) (por Léo)

Se você precisa de uma pausa pra ir ao banheiro durante a final do Melodifestivalen, aproveite a oportunidade que o Jon Henrik te oferece! Uma performance on drugs de pura vocalização do intérprete sem sal PORÉM vestido de nativo (WTF), uma trilha sonora de Rei Leão, um casal que dança loucamente o mesmo passo durante os três minutos, e um trio de espíritos/backings suspensas. A pergunta é: como essa música passou direto pra final? Ok, ela muito mais estranha que todas as outras concorrentes, mas tirar a chance de quem merecia mais é muita sacanagem. Bom, é uma concorrente a menos pro Måns finalmente ganhar o Melodifestivalen.


5. Jessica AnderssonCan't Hurt Me Now (por Dave)

Jessica Andersson voltou pro Melodifestivalen com uma música feita para ela. Can't Hurt Me Now é uma mega balada clássica que precisa de uma mulher com presença de palco, e isso é exatamente o que ela nos trouxe na primeira semifinal do Melodifestivalen. A performance vocal e a expressão emotiva de Jessica foram perfeitas. Mas isso e o seu vestido Ferrero Rocher foram tudo o que chamou a atenção. O resto da apresentação foi bastante sem sal: Jessica ficou parada no frente do microfone da Charlotte Perrelli durante os três minutos da canção. O palco também não ajudou muito: foi tudo dourado e branco (ou azul e preto, como você preferir) de princípio ao fim, salvo alguma pequena mudança no key change (quando também apareceu a nossa amada wind machine). Se a Jessica trouxesse alguns coristas pro palco para fazer a sua apresentação um pouco mais movimentada na final, ela teria grandes chances de alcançar uma boa posição. Mas mesmo se ela não o fizesse, estamos falando da Suécia, e sabemos que tudo pode acontecer...


6. Måns ZelmerlöwHeroes (por Neto)

Ai gente, o que falar do Måns? Måns é vida, é tudo e mais um pouco. E Heroes segue o mesmo padrão do seu dono. Na sua terceira participação, Måns chega com uma canção digna de vitória. Não sei se é a melhor de todas as que ele já mandou, mas com certeza merece vencer a competição. Sem contar que a apresentação inovadora e fofa é algo memorável. A Suécia tem a faca, o queijo, o pão e todo o resto do café da manhã nas mãos. Talvez a ordem de apresentação possa ser um problema para ele, mas é hora de ter pensamento positivo e torcer para aquele deus sueco carimbar seu passaporte rumo a Viena.

7. Linus Svenning – Forever Starts Today



8. IsaDon't Stop (por Fefe)

A Isa pode até ser desconhecida por nós, eurofãs, mas na Suécia, ela é uma das sensações teen juntamente com Zara Larsson; ou seja, a garota podia não ter uma das músicas mais geniais da sua semifinal, mas tem popularidade, carisma, presença de palco e um refrão bem grudento para acompanhar. Quanto a canção, diria que essa é a Shake It Off, da Taylor Swift dos escandinavos: a estrutura da música é parecida, mas não é plágio nem nada, apenas uma lembra a outra, pelo menos no refrão. Bem, a garota tem uma apresentação colorida, chamativa, com muita coreografia, dança, animação, é bem pra cima, para fazer a galera se animar mesmo. Mas ainda não é a canção ideal para os suecos levarem ao Eurovision. Isa é uma ótima intérprete e pode voltar no futuro com algo mais promissor, pois talento a garota tem.


9. Magnus CarlssonMöt Mig I Gamla Stan (por Filipe)

Ano passado, nas análises da final do Melodifestivalen, eu fui sorteado para opinar sobre a vencedora Undo. Sanna Nielsen, como é sabido, estava em sua sétima tentativa no Melodifestivalen. Este ano, fui sorteado para analisar alguém que foi além de Sanna: contando participações com o Alcazar e o Barbados, esta é a OITAVA tentativa de Magnus Carlsson na seletiva sueca. Porém, as coincidências terminam por aí: para Möt Mig I Gamla Stan, chegar à final já é uma vitória. A entrada não deve ir muito além disso. Há muito tempo, o "puro schlager" pode até chegar à decisão, mas não consegue mais reunir fãs suficientes para vencer um Melfest. Ainda mais um schlager, com todo o respeito, comum, sem nada de especial. Magnus tem experiência (acreditem: ele tem 40 anos!) e boa presença de palco. Mas a canção deixa um pouco a desejar. Quem espera sempre alcança, mas o nosso querido ex-Alcazar vai precisar continuar esperando. Quem sabe na nona tentativa...



10. Eric SaadeSting (por Gui)

Depois de conquistar o público sueco em 2011 e representar o país no Eurovision daquele ano, alcançando o terceiro lugar, Eric Saade retorna ao Melodifestivalen e, como era de se esperar, trouxe consigo um hit que o levou direto à final e promete dar trabalho no sábado. Sting começa de forma despretensiosa, mas desde o início destaca uma boa melodia e deixa o público intrigado com o que está por vir em apresentação que vai crescendo com a música e explode de forma arrebatadora no último minuto, com direito a muita coreografia e um Eric Saade mais inspirado do que nunca, pronto para conquistar a audiência e levar novamente o caneco pra casa. Vou confessar que sou Team Måns, mas se tem uma música que pode estragar os planos de grande parte dos eurofãs, essa música é Sting e todo o poder de interpretação e de apresentação que a acompanha. De qualquer forma, a Suécia estará novamente muito bem representada.


11. MarietteDon't Stop Believing (por Matheus)

Com uma vibe fantasmagórica, o conceito defendido por Mariette é bem interessante, mas a performance poderia sofrer um pequeno ajuste, aquele pano esvoaçante é desnecessário (para não dizer, já dizendo, brega). A música é boa, bem produzida, bem cantada e tudo mais, teve ainda a sorte ganhar uma performance que não confronta com a sua proposta, no entanto, não vejo, nem de relance, as grandes qualidades de um vencedor do Melodifestivalen.

12. Hasse Andersson – Guld och gröna skogar

É isso. Bom Melodifestivalen a todos, e obrigada por ter nos acompanhado mais uma vez! Logo após o show, tem post contando todos os detalhes da final!

Um abraço!

[UPD] Melodi Grand Prix - A Análise


Hello Hi todo mundo.  Ops... País errado.

Mas oi galeres... Já já vocês vão ver a nossa aguardada análise da final do Melodifestivalen, mas hoje também é dia do Melodi Grand Prix, que trará de volta a sua orquestra para a cena. Se isso afetará o resultado do MGP? Não sabemos.

Mas sabemos quais são as 11 (???) canções concorrentes da NF de mais alto nível do ano e agora é hora de dar nossas opiniões sobre elas, daquele jeitinho que só o ESC12Points sabe fazer...hihi


Thunderstruck - Erlend Bratland


Erlend Bratland

(Nanda) Tem algumas coisas nas finais nacionais que são verdadeiros pecados. Uma das melhores músicas ser aquela a abrir o show é uma delas. Thunderstruck é a típica música de Eurovision. A voz peculiar do Erlend dá ainda uma nota interessante ao conjunto, que pode ser prejudicada pela orquestra, já que pede tantos sons eletrônicos. Dica: assistam ao videoclipe oficial. É muito bom!

O que achamos:

Louder - Raylee


Raylee

(Fefê) A segunda canção do MGP 2015 vem para animar o público! Raylee traz a Oslo Spektrum um pop tipicamente americanizado, mas bem produzido e bastante convincente. O grande problema é se Raylee conseguirá traduzir a energia desta canção na sua performance ao vivo, que exigirá bastante de sua voz.

O que achamos:

All Over The World - Tor e Bettan



(Nanda) Sabe como a gente sempre chama aqueles baladões eurovisivos de música da Disney? Então... Tendo trabalhado lá, eu falo com segurança: All Over The World é música de show de fogos da Disney, mais especificamente do IllumiNations, do EPCOT. Mas isso é outra história. E, oh, isso pode parecer um elogio. Mas não foi.

O que achamos: 

Next To You - Jenny Langlo


Jenny Langlo

(Fefê) A Jenny traz ao MGP uma música pop puxada pro eletrônico, com um refrão competente e uma voz diferente. Com a performance correta, a moça tem tudo para chegar a superfinal, e, quem sabe, correr por fora para beliscar a vaga no Eurovision...? 

O que achamos:

We Don't Worry - Ira Konstantinidis



(Nanda) Ira está para o MGP assim como Isa está para o Melodifestivalen. E eu não estou falando só das três letras que formam o nome não. We Don´t Worry, assim como se tem falado da canção sueca, tem um "quê, de Taylor Swift versão 2015, algo que tocaria facilmente nas rádios do Brasil e que as menininhas de 15 anos pirariam por. Pode dar trabalho...

O que achamos: 

Heaven - Contrazt


Contrazt

(Fefê) Meu Deus, que ano é hoje? Nós voltamos nos anos 90, na época dos schlagers, e ninguém nos avisou? Pois é o que o que parece que aconteceu com o Contrazt. Ainda mais com esse arranjo que me lembra Listen To Your Heartbeat, não me perguntem porquê.

O que achamos:

Ta meg tilbake - Marie Klåpbakken


Marie Klåpbakken

(Nanda) Essa música é como se você corresse desesperadamente em direção ao seu destino, e quando você estivesse há um passo de lá, descobrisse um vidro no meio do caminho. E enfiasse a fuça no vidro. Ta meg tilbake é uma música que promete demais, que esquenta, esquenta e... meh. Para. Na hora do refrão, ao invés de estourar, ela morre.

O que achamos:

En Godt Stekt Pizza - Staysman & Lazz 



(Fefê) Que po**a é essa? Que lixo, isso aqui consegue ser pior que o velhinho sueco do Melodifestivalen, mil vezes. Ai da Noruega ousar em votar nisso aqui, porque olha...

O que achamos: 

A Monster Like Me - Mørland & Debrah Scarlett


Mørland & Debrah Scarlett

(Nanda) Estou tentando entender o hype que foi criado ao redor dessa música. Porque... Blah. É uma balada que seria impressionante na trilha sonora de um filme, mas que é difícil de transmitir no palco sem ficar brega. A Monster Like Me é uma música boa? Sim. É uma música que vai ganhar muito com a orquestra? Certamente. É a escolha certa? Não, sobretudo com o excesso de baladas nesse ano.

O que achamos:

CinderellaAlexandra Joner



(Fefê) Um pop misturado com R&B com um refrão bem eurovisivo e grudento, com uma cantora cheia de atitude: essa é Alexandra Joner. Desafio você a ouvir um trecho dessa música e não ficar com o "cindere-ella la la, la la" ecoando em sua mente...

O que achamos:

Human Beings - Karin Park



(Nanda) A gente já pode dar o prêmio pra ela? Particularmente é a minha favorita e, a não ser que a Karin faça uma péssima apresentação ao vivo, eu provavelmente ficarei muito puta se ela não 
ganhar.

O que achamos:


E aí, para quem vocês estão torcendo?


[UPDATE]

Uma votação emocionante na Superfinal, entre Erland e Mørland & Debrah Scarlett deu o prêmio ao dueto, que irá ao Eurovision com A Monster Like Me.

sexta-feira, 13 de março de 2015

The Makemakes representarão a Áustria em casa no Eurovision 2015

Imaginem a responsabilidade de representar o seu país no Eurovision em casa. Muito mais depois de uma vitória icônica, como foi a de Conchita Wurst. Bom... A gente já sabe quem sentirá esse peso em 2015:

A banda The Makemakes será a representante da Áustria no Eurovision 2015.



A grande final do Wer singt für Österreich tinha 6 atos que tiveram suas canções definidas na semana passada. Antes de se apresentarem, todos os candidatos cantaram juntos uma versão de Rise Like a Phoenix que unia o estilo de todos eles. Conchita Wurst, claro, não podia faltar, mas ela cantou seu novo single: You Are Unstoppable.

A votação foi feita em duas rodadas: na primeira, um jurado internacional com membros de 10 países e o público escolheram dois atos para uma superfinal. Na segunda rodada, somente a audiência austríaca pode votar entre Dawa e The Makemakes. E no final, o trio, formado por Dodo, Max e Flo foi o escolhido, com a canção I Am Yours.

Veja a apresentação de I Am Yours e opine nos comentários!


quinta-feira, 12 de março de 2015

Conheça Golden Boy, proposta de Israel para Viena


Já conhecemos o cantor Nadav Guedj há menos de um mês. Pra quem não se lembra, ele foi selecionado para representar Israel no Eurovision através do reality show HaKokhav HaBa (A próxima estrela), no último dia 17 de fevereiro.

Hoje o cantor de apenas 16 anos (sendo um dos mais jovens da competição junto com Michele Perniola, de San Marino) teve sua canção escolhida internamente sendo divulgada pela IBA. Ela se chama Golden Boy e foi composta por Doron Medalie, bastante conhecido por seus hits dançantes em Israel.

A canção, segundo Medalie, transmite a capacidade e o carisma de Guedj, e descreve a própria como um "hino pop do oriente médio", que junta o pop, o R&B e um toque instrumental tipicamente turco étnico.

Confira Golden Boy e diga nos comentários o que achou da canção!



Israel competirá na segunda parte da segunda semifinal, em 21 de maio.

O Genealogy está completo! Saiba que é o 6º membro e ouça Don't Deny

Inga Arshakyan é a 6ª integrante do Genealogy


O grupo Genealogy representará a Armênia no Eurovision 2015

Foram semanas de revelação para conhecermos os 6 membros do Genealogy, grupo fabricado que representará a Armênia no Eurovision 2015 e hoje finalmente o time está completo.

Inga completa o time e representa a própria Armênia, enquanto os demais (Essaï Altounian, Tamar Kaprelian, Vahe Tilbian, Stephanie Topalian e Mary-Jean O'Doherty Vasmatzian) representam a diáspora pelo mundo. Cada um deles vem de um continente diferente.

Se o nome Inga Arshakyan não te é estranho, normal! Ela já representou a Armênia no Eurovision de 2009, junto a sua irmã Anush, com Jan Jan.

Junto com a formação completa do Genealogy, finalmente a canção Don't Deny, junto com seu videoclipe, foi lançada. 


A canção, de acordo com seu autor Armen Martirosyan é que "as gerações estão mudando com o tempo, mas a ancestralidade permanece e assim ficam também os valores de amor e paz são estáveis"

Assista abaixo ao videoclipe de Don't Deny e deixe nos comentários a sua opinião!


terça-feira, 10 de março de 2015

Saiba como serão os postcards do Eurovision 2015

Ousados (e caros). Assim dá pra definir os postcards do Eurovision 2015. Isso porque eles requrem que todos os artistas visitem a Áustria semanas antes do festival.


Nós já sabíamos que, pelo terceiro ano consecutivo, o foco estaria todo nos artistas, mas até agora as pistas eram muito poucas. Pois bem. Hoje, depois de muitos artistas divulgarem fotos suas gravando as vinhetas com um misterioso "primeira parte", finalmente o site oficial do festival explicou o conceito dos chamados postcards.

O tema do Eurovision 2015, Building Bridges, é a base de toda a ideia, já aue as vinhetas "unem" a Europa. As produções começam com cada participante recebendo um convite da Áustria em seu país. Mais especificamente o convite de uma das 9 províncias do país (todas estarão envolvidas).

Os postcards do Eurovision 2015 são ousados e diferentes
O convite de San Marino
A história continua com os artistas viajando para essa região austríaca, onde cada um deles terá que cumprir uma espécie de tarefa em nome da cidade natal do Eurovision, Viena. As tarefas são dos mais variados temas, de esportes a ciências. O dueto de San Marino, Anita Simoncini e Michele Perniola (abaixo), por exemplo, filmaram na Ópera de Viena. Os caçulas do festival este ano foram os primeiros a começarem a gravar seus postcards, há semanas, e são um dos primeiros a finalizarem a filmagem, já na Áustria. Outros eurovisivos que já se sabe que estão em processo de gravação de seus postcards são Monika Linkyté e Vaidas Baumila (Lituânia), Elhaida Dani (Albânia), Uzari e Mainuna (Bielorrússia) e Edurne (Espanha). Essa última gravará sua segunda parte nas montanhas de Tirol.

O postcard de San Marino para o Eurovision 2015 já foi gravado
Anita Simoncini e Michele Perniola gravaram seu postcard na Ópera de Viena
Com esse conceito, é possível ver que os austríacos conseguiram ver os dois tipos de postcards com os quais estamos mais acostumados: o foco está no artista, mas sem esquecer da aproveitar a chance de mostrar o lado turístico do país.

E aí... O que vocês acharam da ideia de os artistas serem "convocados" à Áustria antes mesmo de o Eurovision começar?

Rhythm Inside é a canção de Loïc Nottet, da Bélgica

A Bélgica foi um dos primeiros países a anunciar o seu representante para o Eurovision 2015 e é um dos últimos a apresentar sua canção.

Rhythm Inside é a canção de Loïc Nottet levará ao palco de Viena


Loïc Nottet representa a Bélgica no Eurovision 2015

Um pop de vibe bastante cool, a canção já vem sendo comparada a Royals, da cantora neozelandesa Lorde. Assista abaixo ao videoclipe de Rhythm Inside e nos diga se concorda.


Rhythm Inside foi escrita pelo próprio Loïc Nottet e por Luuk Cox. Eles disseram que queriam fugir da tradicional estrutura do Eurovision e surpreender ao público.

A Bélgica cantará na primeira metade da primeira semifinal do Eurovision 2015, no dia 19 de maio.

Ouça Hope Never Dies, a canção da República Tcheca para o Eurovision

Marta Jandová e Václav Noid Barta representam a República Tcheca no Eurovision, em Viena


Uma das maiores surpresas no Eurovision 2015 (depois da participação da Austrália, é claro), foi o retorno da República Tcheca. O país, que já havia confirmado que não estaria em Viena, decidiu voltar ao festival para a alegria dos eurofãs locais.

Os representantes tchecos no Eurovision, Marta Jandová e Václav Noid Barta, foram escolhidos internamente, assim como Hope Never Dies, a canção que você escuta à seguir:


E aí, o que vocês acharam da música da República Tcheca?

Marta Jandová e Václav Noid Barta prometeram uma canção com "megalomania". Eles conseguiram?

segunda-feira, 9 de março de 2015

Edurne estreia videoclipe de Amanecer

Depois de uma longa espera para o lançamento da canção, que aconteceu no domingo passado, Edurne finalmente estreou hoje, às 8h30 (horário de Brasília) o videoclipe oficial de Amanecer, canção que ela levará ao Eurovision Song Contest em maio.

Antes do lançamento do vídeo, muito se especulou sobre quem seria a tal companheira estelar de Edurne em cena. Hoje finalmente descobrimos que se trata de uma tigresa, que esteve com a cantora e com o modelo Saoro Nadal no estúdio de Valência, onde foi feita toda a produção. A direção do videoclipe de Amanecer é de David Arnal e Germán De La Hoz.  Os looks da representante espanhola no Eurovision são de José Fuentes.

Nos próximos dias será lançada a versão sinfônica da canção. O vazamento dessa nova gravação agradou tanto aos fãs que a equipe de Edurne já cogita levá-la ao festival de Viena e não a versão pop, que se vê no videoclipe.

Assista abaixo ao videoclipe de Amanecer, da Edurne

Crônicas de uma Eurofã Brasileira: a redenção báltica

Olá, caros leitores do ESC12points...!

Desculpem desaponta-los novamente... Mas esse mês foi bastante conturbado, tanto no bom quanto no mau sentido da coisa. Bom, como ninguém tá aqui pra ler sobre minha vida pessoal, vou comentar só o lado bom: agora sou colunista do projeto lindo da nossa amiga editora Nanda Cabrera com a Pri Bertozzi, o Latinpop Brasil! E eu falo de Todo El Mundo... Literalmente (esse é o nome da coluna haha). Eu recomendo vocês a visitarem esse site, grandes fãs da música latina e italiana. Mas se quiserem ler sobre Eurovision, também verão muita coisa sobre na World News e nas minhas colunas... Portanto, prestigiem!

Voltemos ao Eurovision, e mais especificamente... Sobre uma específica região da Europa. Várias seleções nacionais chegando ao fim, sendo a principal delas a Lituânia. Não digo pela relevância do país no festival, mas cacete, são quase 3 meses de NF, mais de dez shows... Até que enfim acabou! O duo Vaidas Baumila e Monika Linkyté, com a música This Time, serão os representantes do país em 2015. É um pop-country super fofo, muito superior a várias entradas do país (principalmente a do ano passado, aff).

Que saúde, hein Vaidas! Até perdoarei você por esse cromaqui na foto.

Estônia escolheu no último Eesti Laul o duo que está dando o que falar: Elina Born e Stig Rästa, com Goodbye To Yesterday, já estão entre os grandes favoritos nas casas de apostas eurovisivas. E não é a toa: a música é muito boa, quase uma unanimidade entre os editores do ESC12points, e muitos eurofãs estão comparando o hype do The Common Linnets com esse duo...

A Letônia resolveu trocar a final nacional, ao invés do Eurodiezma, tivemos o Supernova. E olha que houve uma clara evolução, muitas músicas boas nessa NF. A ganhadora foi Aminata, com Love Injected. Que vozeirão essa guria tem. E a música tem um baita potencial!

Daí você, eurofã, vai se perguntar: poxa vida, os três países bálticos mandando música boa? Faz tempo que isso não acontece, fala sério... Mas vocês sabem por que os três países resolveram caprichar este ano? Muito simples.

Os bálticos foram esculachados em 2014. Letônia foi de Cake To Bake, aquela música tola até dizer chega. Lituânia gritou por Attention, com cabelos se arrepiando e tutus furados no palco em Copenhagen. Já a Estônia destoou de seus vizinhos, dando show com a performance de Amazing. Mas infelizmente os estonianos tiveram o triste fim dos seus vizinhos bálticos: todos caíram fora do Eurovision mais cedo, nenhum foi para a grande final.

E eu ainda tive que fazer a análise dessa coisa... Lembram?

Isto foi um belo de um chacoalhão pros três países. O Eesti Laul continuou com a qualidade de sempre, escolhendo uma música que pode ser considerada um rip-off do sucesso da Holanda do ano passado (na minha opinião, é até melhor). Já a Lituânia vem com uma apresentação irreverente, com direito a beijo no meio da música. E a Letônia teve que reformular até a sua NF (Supernova), o que trouxe um ar fresco para o festival no país. Eu sempre acho isso muito bom!

Alguns países aprendem com o fracasso, e em 2015 temos outros casos no Leste Europeu (principalmente nele, já que muitos países floparam lindamente). Tipo a Geórgia o que não era muito difícil, Bielorrússia, e o retorno triunfal da Sérvia, com a fofa da Bojana trazendo um electropop étnico de qualidade e um vozeirão que promete abalar Viena.

Esse ano promete demais, vocês não tem ideia da minha ansiedade. Só espero que nem a Suécia nem Portugal quebrem o meu encanto!

E você eurofã, o que achou das canções dos países bálticos no ESC deste ano? Acredita que o Leste Europeu pode dar a volta por cima em 2015?

Um abraço!


Fernanda Barreto, 26 anos, finalmente está na febre eurovisiva ruim (ou seja, as escolhas dos países favoritos dela), que só será curada na final do Melodifestivalen 2015 e do Melodi Grand Prix.